A história da foto

Eu sou um curioso pelas imagens que estão à minha volta e que acho que muitas vezes podem transmitir algum tipo de informação relevante. Sempre admirei mestres como Bresson, Sebastião Salgado, sempre gostei de fotojornalismo e fotos de acontecimentos históricos captados de alguma forma diferente, gosto de ler sobre fotografia, saber os seus porquês.

E numa ocasião, tive a sorte de tirar uma foto sobre a qual eu posso contar uma história. Obviamente não tenho quaisquer pretensões de me comparar a nenhuma dessas pessoas que eu admiro… de forma alguma! Quem sou eu?! Mas pude vivenciar uma experiência que achei que vale a pena compartilhar aqui com vocês.

Estamos na cidade de Goiana. Ela fica na divisa entre Pernambuco e a Paraíba. É uma cidade de importância histórica pra região, onde tiveram lugar eventos ligados à expulsão dos holandeses do território do Nordeste, à Confederação do Equador e outros acontecimentos. Tanto, que o centro histórico, formado por casarões, sobrados e muitas igrejas, é Patrimônio Histórico Nacional desde 1938.

Antes da imagem da qual eu quero falar, veja algumas fotos do centro histórico de Goiana:

Pois bem, falando sobre a foto, eu estava indo para a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, que é do ano de 1807. Havia uma placa indicando um museu de Arte Sacra e eu fui até os fundos da igreja, era uma tarde de sábado e as ruas estavam já vazias, fazia um calorão…

Encontrei as portas traseiras todas fechadas, não havia como entrar, estava tudo como que lacrado, percebi que não adiantava bater ou chamar alguém. Tinha uma praça no local e uma pessoa me disse que era assim mesmo, que só dia de missa, etc…

Então eu olhei pra uma das portas e tinha escrito “Mais amor, por favor”. Em giz ou algum tipo de lápis mais grosso, não sei. Tudo numa altura e proporção que se encaixariam perfeitamente no que eu pensei: fazer uma foto, olhando pra câmera, e portanto, para o espectador, e apontando para a frase, como se estivesse mostrando pra ele.

Então pedi pra pessoa que estava comigo bater a foto, disse como é que eu tava pensando e foi. Num toque só. Nem foi preciso voltar pra fazer de novo por que aquele único disparo já ficou do jeito que eu tava pensando.

Então, essa é a minha história da foto. Muitas fotos podem ser tiradas sem ter existido nenhum ensaio ou preparo antes, nenhuma escolha de cenário. Alguns gostam de chamar de acaso. Mas a verdade é que às vezes, com curiosidade e imaginação, pode-se obter imagens muito legais.

Exercite a imaginação.

Um comentário em “A história da foto

  • 20/01/2015 em 12:28
    Permalink

    Cara, curti muito seu blog, suas fotos ficaram ótimas, e seu texto também. Tem tantos blogueiros por que ai que se dizem fotógrafos, mas não levam a coisa a sério e fazer só pra atrair leitores, mas você faz um trabalho legal, você explica bem sore as fotos, curti mesmo o seu texto. Mais amor por favor ^^

    http://minhaspalavrasoblog.blogspot.com.br/

    Resposta

Participe, comente esse post: