Maria Farinha

Não, esse lugar não tem esse nome por causa de alguma mulher a quem deram o apelido de “Maria Farinha“. Na verdade, esta é uma praia no município de Paulista – PE, é o nome popular de uma espécie caranguejo que faz uns buracos na areia da praia onde se esconde durante o dia.

E nem tem farinha por lá. Tem areia e muita. As autoridades locais fizeram o que se chama de processo de engorda da praia. Veja essas imagens e faça uma comparação de como o local era em 2007 e como ele está agora: (imagens: Google Earth)

Andar por essa “nova” praia, pelo menos do ponto de vista da paisagem, é bastante interessante, pode-se tirar várias fotos das terras do município de Igarassu, que fica do outro lado do Canal de Santa Cruz e da Ilha de Itamaracá, próxima dali.

Por esses lados é que chegaram as caravelas de Duarte Coelho Pereira, o primeiro donatário de Pernambuco, pra tomar posse do território em nome do Rei de Portugal e foi por aqui também que começaram a apontar os navios dos invasores holandeses que desembarcaram na praia de Pau Amarelo, um pouco mais ao sul.

Existem contrastes muito grandes, pois no local há residências de veraneio de alta classe, volta e meia, dá pra ver lanchas bem grandes sendo trazidas em veículos para o Maria Farinha Iate Club ou pra algum resort da vizinhança e no mesmo lugar, há um bom número de pessoas em barracas, escutando música, tomando a sua cervejinha, vendendo coisas… pessoas mais simples, que são do local ou vem de das redondezas.

Numa das margens do canal, a uma certa distância da praia “engordada”, a gente continua a perceber esses contrastes. Enquanto lanchas passam rasgando a água, uma balsa e barcos quase que improvisados vão levando pessoas para o outro lado.

Perguntamos a uma das pessoas que estava esperando a balsa de onde ela era e pra onde ia e ela me respondeu que morava em Nova Cruz, distrito da cidade de Igarassu e que algumas daquelas pessoas estavam indo para casa por que no dia seguinte começava a semana de trabalho nas casas e resorts “de gente rica” pra usar um termo dela. Em outras embarcações, carros e outras pessoas, muitas delas donas de casas mais confortáveis de Nova Cruz.

Ficamos lá vendo o movimento, tanto das lanchas, que não era muito grande, quanto da balsa e dos barcos, que parecia aumentar com a aproximação do anoitecer.

Maria Farinha e arredores foi um daqueles passeios que deu pra fazer numa tarde. Passar umas boas horas num lugar próximo e ao mesmo tempo diferente pode ser uma boa, nesses tempos em que a maioria das pessoas já voltou das férias e a grana tá curta com todos esses gastos de começo de ano.

E aí onde você mora? Já deu alguma volta pra conhecer lugares próximos e diferentes? Ou você prefere passar o domingo em casa mesmo? Conta aí nos comentários!

Abraço e até o próximo post!

Participe, comente esse post: