Acertando o passo

Olinda já está acertando o passo. Falta muito pouco para o começo das folias de Momo na pátria dos Bonecos Gigantes do Carnaval.

O Carnaval de Olinda, tal como é conhecido hoje, tem suas origens lá no começo do século XX. Em 1907, aparece o Clube Carnavalesco Misto Lenhadores. Em 1912, o Clube Carnavalesco Misto Vassourinhas. Um pouco mais tarde, em 1921 é a vez da Troça Carnavalesca Mista Cariri Olindense e, em 1932, o Homem da Meia-noite começa a dar o ar da graça no Carnaval olindense. O detalhe é que todas essas agremiações ainda estão em atividade.

Os blocos, troças, maracatus, bois e diversos outros tipos de manifestações populares carnavalescas nunca param de se multiplicar. Hoje é praticamente impossível enumerar cada uma delas, todo ano aparece uma nova. Costuma-se dizer que no Carnaval de Olinda, bastou uma pessoa levantar um mastro com qualquer pano amarrado e bater uma lata, que aí já está formado o bloco.

E nós estamos agora num dos epicentros da folia. A frente do prédio da Prefeitura Municipal, na praça Monsenhor Fabrício. É aqui que se aglomera boa parte da multidão que curte o Carnaval.

Hoje esse lugar é um dos maiores referenciais do Carnaval do Brasil. É nessa praça que ficam os Stands e Camarotes de emissoras de TV e demais meios de comunicação. Tudo isso foi começando a partir do tempo em que foram abolidas as passarelas, com comissão julgadora e palanque para as autoridades, dando um ar mais espontâneo e popular à festa, embora ainda haja agremiações que desfilam com fantasias grandes e luxuosas.

Agora, nessas fotos, você está vendo a praça, com as ruas adjacentes, o final da Rua São Bento, que vai parar no Mosteiro e outras, que ligam a cidade alta à beira mar e demais pontos de onde chega e pra onde vai gente a todo momento durante esses dias, ainda “desmontada” e um pouco vazia.

Por enquanto, Olinda ainda se prepara pra sua grande festa. Mas, a partir de sábado, quem vir pela TV, Internet ou chegar por esses lados, vai poder sentir a vibração e a energia de uma das maiores manifestações da cultura popular no planeta.

Participe da conversa com seu comentário: