A Praça da Preguiça

Praça da Preguiça, uma das principais portas de entrada do Sítio Histórico de Olinda. É pra onde a gente vai hoje aqui no Reverso do Mundo.

Bichos preguiças de verdade

Esse lugar fica aos pés da colina onde desde 1580, está a Igreja do Carmo. O nome foi dado pelo povo de Olinda, mas não por causa de alguma pessoa que era preguiçosa, ou por que ao se chegar nela, as pessoas sentem preguiça e sim por que realmente haviam bichos-preguiça pelas árvores até mais ou menos o começo dos anos 1970.

Conta-se que os bichinhos foram retirados por que davam um trabalho danado a um funcionário da prefeitura, que tinha que ficar de olho pra ver se os animais não desciam das árvores ou se não aparecia alguém com más intenções pra maltratar as preguiças. Na verdade mesmo, o nome oficial do lugar é Praça da Abolição.

De bosque a praça com movimentos de pessoas

Nos primórdios de Olinda, no século XVI, o que veio a ser a praça era um grande campo, não havia movimento quase nenhum por lá por que a vida social da cidade estava muito mais concentrada na parte alta da então “Vila de Olinda”. A partir do começo do século XVIII, mais precisamente em 1720, a Igreja do Carmo, que tinha sido destruída pelos holandeses, voltou às atividades e o local ganhou mais vida.

Porém, só no século XIX, quando começou a circular a Maxambomba, que tinha seu ponto de retorno bem próximo da praça, as ruas foram ficando mais movimentadas, aí sim, foram construídos passeios, as pessoas começaram a frequentar mais o local.

O nome “oficial da praça” tem um motivo

É dessa época um monumento que há na praça, uma imagem em cima de um grande pedestal que simboliza a liberdade, aliás foi aí que o lugar ganhou o seu nome, pois é um monumento celebrando a Abolição da Escravatura, em 1888.

A data e todo o contexto que envolve a Abolição, já é há muito contestada pelos movimentos pelos direitos dos negros, preferem colocar como “Dia nacional de luta contra o racismo”, pois a tal “Abolição” teria sido um ato meramente político, que, como podemos constatar hoje, não incluiu a população negra na sociedade.

O Coreto de ferro trazido de outros continentes

Também no finalzinho do século XIX foi construído o coreto da Praça da Preguiça. Ele é o único existente no Sítio Histórico. Conta-se que grande parte dele teria sido instalado na base de pedra, as peças são de origem britânica, compradas da empresa Walter MacFarlane & Co. Esse coreto animava a população com retretas e bandas nos feriados religiosos e festas variadas, como o Réveillon, por exemplo.

Hoje ele é bastante usado pra apresentações culturais, a maioria musicais, desde eventos oficiais da Prefeitura Municipal até atos de protestos e em shows de eventos alternativos, como o Mimodifique, realizado em novembro de 2015.

A Praça como área de lazer e cultura nos dias de hoje

Manifestações culturais são hoje um dos fortes da praça. Quase todo fim de semana há alguma atração aberta ao público. Sons e ritmos pra todos os gostos, desde bandas de Rock, grupos de Hip-hop até Maracatu, coco e demais gêneros musicais. Nas semanas antes do Carnaval, os grupos culturais promovem seus ensaios abertos. Também se podem ver feirinhas de arte e exposições.

Nas horas em que não há movimentação, a praça pode ser um belo lugar pra se descansar e dar umas voltas pela pista de cooper. O visitante de fora da cidade pode conhecer o coreto, as estátuas e todo o conjunto da praça com bastante tranquilidade, vários ônibus de excursões param justamente aí antes de seguirem pros pontos da cidade alta.

A Praça da Preguiça, que na verdade se chama da Abolição, é um dos pontos mais interessantes da cidade. Está na entrada do Sítio Histórico e vale a pena o passeio por lá.

2 comentários em “A Praça da Preguiça

  • 03/03/2016 em 19:31
    Permalink

    Que lugar mais lindo! Amei a história e tudo que a engloba. Espero um dia poder conhecer essa praça.

    Porfavorjulia.com

    Resposta
    • 03/03/2016 em 21:11
      Permalink

      Obrigado por seu comentário, Julia. Esse é um lugar muito legal mesmo. Há sempre alguma movimentação cultural e dá pra passear pela tarde, levar a família, etc… Se um dia vier em Olinda, reserve um dia pra andar na Praça que é o maior barato!
      E volte sempre ao Reverso, temos atualizações duas vezes por semana, buscamos sempre estar em lugares interessantes.
      Abraço!

      Resposta

Participe da conversa com seu comentário: