Ribeira de Olinda

Um dos mais conhecidos e visitados pontos do Sítio Histórico de Olinda é o Mercado da Ribeira. Ele foi instalado no alto de uma das sete colinas que formam cidade. Não se sabe exatamente a data, alguns estudiosos afirmam que pode ter sido em 1693.

O que se tem certeza mesmo é que foi no final do século XVII, portanto, ele está entre as primeiras construções inauguradas depois da expulsão dos holandeses de Pernambuco, em 1654.

O corneteiro anunciava que ainda havia carne pra vender

Nos seus primeiros anos e até a primeira metade do século passado, o espaço era um mercado público. No comecinho, eram comercializados produtos alimentícios de primeira necessidade, depois passou também a abrigar um açougue.

E aí tem uma história curiosa: As carnes eram vendidas frescas, logo quando vinham do abatedouro, geralmente de manhã cedo, porém, sempre sobrava algum pedaço de carne de primeira, como não existia refrigeração, tudo tinha que ser vendido no mesmo dia, se não estragava e era prejuízo pros comerciantes.

Então, um funcionário do mercado ia até a rua em frente e tocava uma corneta, as pessoas mais pobres chegavam ao lugar e podiam comprar carne de qualidade a preços muito mais baratos do que o normal.

A redescoberta de Olinda e um novo uso pro Mercado

A partir dos anos 1960, a Ribeira passa a ser melhor explorada turisticamente. É uma época em que vários artistas plásticos e artesãos se instalam por ali, comercializando as suas obras.

Hoje em dia, o lugar permanece sendo um espaço de venda de artes.

A grande maioria é de produtos utilitários, como panelas de barro, sandálias e chinelos, camisetas e vestuário em geral, mas há muita venda de souvenires de Olinda, brinquedos, bonecas e uma grande variedade de enfeites de gosto duvidoso, pequenas lembrancinhas por um preço bem camarada, que o visitante pode comprar pra dar de presente a alguém que ainda não esteve na cidade, por exemplo.

A estrutura do mercado nunca chegou a passar por uma reformulação radical. Ao contrário do que aconteceu com a Catedral da Sé, a arquitetura colonial foi mantida. Uma construção em forma de “U”, de terraços com colunas, piso e batentes de pedra, um pátio interno e o prédio onde ficava a administração.

Além de poder apreciar e comprar artesanato, dependendo da época do ano, pode-se assistir a apresentações de música, tanto popular como erudita, festival de Jazz, maracatus e outros ritmos. É claro que no Carnaval, que é a maior festa de Olinda, o pátio interno fica repleto e de lá saem muitas troças e demais agremiações do tempo das folias.

O mirante

Uma outra grande atração do mercado, que certamente é a menos divulgada, é a vista.

Nos fundos do prédio da administração há um terraço que acaba sendo um mirante de onde se pode apreciar uma das mais belas vistas de Olinda: o conjunto do Alto da Sé, com a catedral, o prédio da caixa d’água, o observatório e as casas e ruas dos arredores. Também é possível avistar a igreja do Carmo e até mesmo o mar.

Este mirante é um prato cheio pra quem gosta de fotografia e pra quem quer dar uma relaxada, descansar um pouco do sobe e desce ladeira de Olinda.

Quando você for a Olinda não deixe de ir ao Mercado da Ribeira. Ele funciona em todos os dias da semana, de 8 às 18 horas. Você pode apreciar as artes, admirar a vista e quem sabe, encontrar alguma apresentação musical ou exposição.

Geralmente aos domingos há sempre apresentação de afoxés, maracatus e outros tipos de manifestações da cultura popular saindo do Mercado e percorrendo ladeiras da cidade histórica.

Mais um lugar cheio de histórias e demais coisas interessantes no Sítio Histórico olindense.

Blog do Mercado

Participe da conversa com seu comentário: