A Casa Grande das Almas

A Casa Grande das Almas não é um lugar mal-assombrado nem cenário de filme de terror. É um sítio fundado no final do século XIX, que antes ficava na divisa entre os estados de Pernambuco e da Paraíba, mas que agora fica só em PE.

Mas como assim? Ela se mudou? Não. Fica com o Reverso do Mundo que a gente te conta melhor essa história.

Como chegar / as origens da Casa Grande das Almas

O acesso se dá por  uma das vias principais do centro da cidade de Triunfo, a Av. Frei Fernando, onde ficam o Convento de São Boaventura e o Lar Santa Elisabeth, que inclusive servem de pousadas.

Chegamos finalmente até uma parte mais afastada da cidade, umas ruas com poucas construções, de onde já é possível avistar as torres de um castelo.

Ops! Espera aí! É um castelo? Não seria um sítio, como tínhamos colocado no começo? Sim, é, mas… vamos lá que a gente fica sabendo da história toda no decorrer do texto.

Pois bem, chegamos a uma propriedade fundada lá pelos idos de 1880 que pertenceu ao alferes (uma patente militar que corresponde hoje à de segundo-tenente) João Timóteo de Lima.

Quem dá as boas vindas é um guia, que, após cobrar uma taxa de visitação, organiza os visitantes em subgrupos, pois os espaços ainda servem de moradia da família de Timóteo e nem eram abertos ao público, começaram a ser depois da morte do seu filho há poucos anos.

Os cangaceiros de Lampião e a divisa entre Pernambuco e a Paraíba

A propriedade guarda histórias muito curiosas. A maior delas envolve a figura do lendário Lampião, que andava com seu bando por muitas cidades sertanejas, saqueando várias delas, mas nunca a cidade de Triunfo, onde encontrava abrigo no sítio de João Timóteo.

E é aí que entra essa história da divisa da Paraíba com Pernambuco.

Nessa altura, entre finais de 1920 e início dos anos 30, não existia GPS nem satélite, então, convencionou-se que a sede do sítio era o marco da divisa entre os estados, portanto, quando a polícia de Pernambuco vinha no encalço de Lampião, ele se escondia nos cômodos do lado paraibano, quando sabia que as tropas da Paraíba estavam a caminho, se abrigava no lado pernambucano.

Hoje, qualquer um pode consultar aplicativos como o Google Maps, ou ir lá mesmo com um GPS e tirar a prova: A divisa está a cerca de 120 metros ao norte da propriedade. Mas o “erro” não só é perfeitamente compreensível, como faz parte do rol das “lendas populares” da região e dá um charme a mais em todo esse contexto.

A casa: Os Jardins e o mausoléu

Entre  jardins belíssimos e muito bem cuidados e uma capela com um cruzeiro imitando o barroco, está o mausoléu da família: sepulturas bastante curiosas, cada uma remetendo a um estilo diferente, tanto oriental quanto ocidental, uma visão eclética e até meio surrealista.

E o castelo… Sim, o castelo que citamos no começo.

O filho de João Timóteo começou a construí-lo por mania de grandeza. Porém, a família não o levou à frente. Há ideias de terminá-lo em breve, pra que se torne um local de eventos e visitação pública também, claro. Ele é suntuoso, inspirado em castelos antigos da Europa.

A Casa Grande das Almas é certamente um ponto que você deve conhecer. Um lugar de histórias e beleza que pode surpreender enormemente o visitante.

Na próxima semana vamos até alguns lugares da zona rural do sertão do Pajeú, nas imediações de Triunfo. Entre eles, o ponto mais alto do estado de Pernambuco. Até lá então.

 

Saiba + sobre hospedagem no Lar Santa Elisabeth e no Convento de São Boaventura

Participe, comente esse post: