Um castelo e o sonho de um reinado

Pra muita gente, o castelo perto de uma das principais entradas da cidade de Garanhuns pode parecer estranho, excêntrico e até mesmo grosseiro, pra não dizer feio.

Mas a gente não tá aqui pra julgar a aparência desse lugar. Vamos contar a história de um sonho.

O menino João e uma promessa

João nasceu no início dos anos 1930 e passou a infância com a família na zona rural da cidade. A vida era dura, não havia muito tempo pra outra coisa que não fosse ajudar os pais nos trabalhos na roça e em outros pequenos bicos que aparecessem.

Mesmo assim o menino brincava de construir casinhas com pedaços de madeira e pedras.

Um dia, ao perceber que sua mãe andava triste, disse a ela que quando crescesse, eles e o resto da família não morariam mais numa casa sem conforto, pois ele construiria um castelo.

A mãe não levou aquilo muito a sério e a conversa ficou por ali mesmo.

Um filme de capa e espada e a visão do castelo

Certo dia, no começo dos anos 1940, João foi ao Cinema Eldorado, que ainda existe em Garanhuns. Lá ele viu um desses filmes de capa e espada, provavelmente uma adaptação literária, e se encantou com aquele mundo de reis, rainhas, cavaleiros, as roupas, as armas, e, claro, com o grande castelo que aparecia no filme.

Chegou em casa e correu pra sua mãe, dizendo que tinha visto o tal castelo e que construiria um como aquele pra que a família morasse.

E então o menino começou a aprender e logo a exercer as profissões de encanador, eletricista e pedreiro, vários ofícios, tudo isso visando a construção de seu sonho.

João nunca ganhou muito dinheiro, mas uma parte do pouco que conseguia era guardada. E aí, com o tempo, ele foi comprando tijolos, cimento e tudo mais que fosse preciso.

João põe seu sonho em prática

Só em 1981 é que conseguiu comprar um terreno pra finalmente começar a erguer a sua obra.

Todo o planejamento saiu da imaginação do João. Apenas seus filhos e alguns amigos lhe ajudavam. Não consta que nenhum arquiteto, historiador ou outro profissional tenha vindo pra supervisionar o projeto ou as plantas, (se é que havia isso) pra que fosse inspirado nesse ou naquele castelo do mundo da ficção, muito menos que ficasse uma réplica de algum já existente.

Certamente por isso é que há todo esse aspecto meio extravagante, com um pouco de tudo.

Um lugar extravagante

Já ao entrar na antessala percebemos um alto-relevo com uma imagem que remete ao mesmo tempo aos cavaleiros medievais e às xilogravuras das ilustrações de folhetos de cordel.

No salão principal, réplicas de tronos, onde o visitante, ao pagar uma taxa, pode escolher alguma indumentária, uma coroa, cetro ou outro adereço e tirar uma foto sentado como se fora um verdadeiro rei.

Há também uma pequena lojinha com souvenires, folhetos de literatura de cordel escritos por poetas de vários lugares, entre outras lembranças que são vendidas pelos filhos de João a preços bem baratinhos.

Ah! sim. A entrada é gratuita, o prédio está aberto ao público nos sete dias da semana, das 9 às 18 horas.

Há um pátio ao lado e aí também você pode ver as mais diversas referências. Imagens que lembram a antiguidade clássica, a figura de um cão em estilo egípcio e no centro, um chafariz com a representação de uma figura feminina que se parece muito com uma índia.

As torres, as muralhas, algumas delas bem altas, uma figura de ramos, como se fosse o brasão real, também fazem parte desse curioso conjunto.

 

 

A fama e a recusa

Equipes de TV, produtoras de documentários, jornais impressos, muitos veículos de comunicação chegaram a mostrar a obra do João pro Brasil todo e até pra outros países

Mas conta-se que ele não queria que nem prefeitura municipal, nenhum outro órgão público e nem empresa privada viesse a interferir no seu espaço. Segundo os seus familiares, ele temia que terceiros acabassem tomando conta do local.

O Castelo finalmente está concluído?

Em algumas imagens, é possível perceber tijolos sem reboco e paredes ainda pela metade. Dá a impressão de que o João não tinha algo preciso na cabeça, metas e um objetivo final a ser alcançado, andava construindo e construindo…

Só parou em maio de 2016, quando faleceu, aos 81 anos, num hospital no Recife.

Essa atração, que muitos acham estranha, feia, sem dúvida é um monumento ao sonho de um homem pobre que construiu o seu reino. Quando estiver em Garanhuns, vale a pena conhecer esse lugar.

3 comentários em “Um castelo e o sonho de um reinado

  • 14/10/2016 em 22:10
    Permalink

    Gostei muito de conhecer a história de João e do seu sonho. A perseverança dele o tornou possível. Indo a essa cidade , com certeza esse castelo é uma parada mais que obrigatória!

    Resposta
    • 14/10/2016 em 23:42
      Permalink

      Realmente é algo admirável, Daniele. O Sr. João realizou o seu grande sonho de vida. Muita gente com mais condições, com mais conhecimentos arranja desculpas pra não fazer coisas que poderiam ser úteis até pra elas mesmas.
      Muito obrigado por seu comentário aqui e espero que você goste dos nossos posts. Quando quiser, fique à vontade pra participar. Comentários, críticas e sugestões são super bem vindos.
      Abraço e bom fim de semana!

      Resposta

Participe da conversa com seu comentário: