A cidade do artesanato de barro

A cidade do artesanato de barro: Tracunhaém. Seu nome é de origem tupi-guarani e quer dizer algo como “formigueiro”.

Normalmente, saindo de Recife você pode fazer o trajeto pela BR 232 até o cruzamento com a rodovia estadual PE 408. A distância da capital é de 64 KM. A viagem dura cerca de 1 hora e meia, no máximo.

O município está na Zona da Mata de Pernambuco, que é uma região entre o litoral e as serras do Agreste. Ela corta o estado desde a divisa com a Paraíba, ao norte, até o sul, com Alagoas. São mais de 8.000 KM² e cerca de 1.100.000 habitantes.

A partir de hoje, aqui no Reverso, vamos visitar algumas das cidades da parte norte da Zona da Mata e conhecer suas histórias e atrações.

Arte desde a entrada da cidade

Já na entrada de Tracunhaém, a gente pode encontrar arte em vários lugares. Há o Parque de Eventos José Vasquez Mendez (Deda), onde acontecem apresentações culturais em épocas de festas de São João, Natal e em alguns finais de semana pela noite.

Entre os quiosques já temos um aperitivo do que pode ser encontrado no centro. Destaque pra arte inspirada em motivos religiosos, (muito forte em toda a produção, diga-se de passagem) e uma curiosa réplica do “Pensador” de Rodin.

As origens da cidade do artesanato de barro

Essa região onde hoje fica Tracunhaém começou a ser povoada em meados do século XVIII por exploradores de Pau-brasil e fazendeiros criadores de gado.

Também foram instalados engenhos de cana-de-açúcar por lá, mas foi um negócio que não vingou como no litoral e em outros lugares da própria Zona da Mata.

Foi apenas no século XX, a partir dos anos 1960, que a cidade começou a ficar conhecida pela arte de modelar a terra.

Apareceram os primeiros artesãos, os “mestres”, produzindo em suas casas, que eram oficinas e pontos de venda ao mesmo tempo. Alguns deles ficaram mais conhecidos, chegava gente do Recife e de outros lugares pra ver e comprar as peças feitas em Tracunhaém.

Hoje em dia, as atividades seguem, com várias iniciativas que têm sido elaboradas pra incentivar esses trabalhadores a produzir com mais eficiência e comercializar as suas artes.

Um local de ensino, produção e venda do artesanato

Visitamos o Centro de Artesanato Tracunhaém, que fica bem na praça principal da cidade, que é, como em muitas cidades pelo interior do Brasil afora, o largo da igreja matriz.

Centro de Artesanato de Tracunhaém, a cidade do artesanato de barro

Nesse local podemos ver todas as etapas da produção. Desde a argila bruta até as peças acabadas.

Depois que a matéria-prima é retirada das encostas próximas do Rio Tracunhaém, é trazida pra umas estruturas semelhantes a currais pra que seja estocada.

Depois, são usadas máquinas pra purificar o barro, separando o que pode ser aproveitado de impurezas como pedras e restos de vegetais.

Em seguida, num outro galpão, os artesãos trabalham as poções de barro de acordo com as técnicas e estilos de cada um.

Finalmente, as peças vão para os fornos pra que fiquem resistentes e sólidas, e aí podem ser coloridas ou não, mas a maioria recebe um acabamento de verniz pra que fiquem impermeáveis, não se estragarem com a água e a variação das temperaturas.

A parte da frente do casarão é aberta ao público e é onde ficam expostas diversas criações de artesanato dos mais variados motivos: religiosos, animais, cenas do cotidiano, formas abstratas.

Nesse espaço, o você pode admirar e comprar trabalhos com valores desde os bastante acessíveis, aqueles que podem virar pequenas “lembrancinhas” pra amigos e familiares, até os bem caros, peças de colecionador.

Artes pelas calçadas

Pelo centro da cidade também há muita arte. Ateliês expõem peças pra todos os gostos e bolsos.

Atelie em Tracunhaém

É uma bela oportunidade de fugir da loucura dos grandes centros urbanos e ter contato com a cultura popular, conhecer de perto histórias e pessoas interessantíssimas.

Se você gosta de arte e cultura popular, esse é um lugar que certamente você irá querer conhecer. Aliás, há muito pra se ver também no interior pernambucano, em cidades não muito distantes da capital.

Saiba + sobre as atividades do Centro de Artesanato em sua página do Facebook
Telefones: 81.8900-2245.  e 81.9874-6501

OBS: Qualquer alteração nos horários, na mudança de políticas de visitação aos lugares mostrados, ou o fato dos responsáveis pela página estarem mantendo ou não atualizações, respondendo ou não as perguntas de pessoas interessadas nos trabalhos, tudo isso é de responsabilidade do Centro de Artesanato da cidade. Fomos em visita. Não temos nenhum vínculo com essa instituição. 


Já pensou na importância de fazer um seguro para as suas viagens? Faça a cotação do seguro de sua próxima viagem clicando no banner abaixo. Você não pagará nada a mais por isso. Use cupom de desconto, basta colocar OREVERSODOMUNDO5 no espaço correspondente antes de efetuar a compra:


728x90

* Esta é uma parceria entre o Reverso do Mundo e a Segurospromo

6 comentários em “A cidade do artesanato de barro

    • 17/03/2016 em 01:22
      Permalink

      Oi Aline! Muito obrigado por sua visita e comentário aqui nesse post. Pois é, como eu disse, é uma dica pra um eventual turista em visita a Pernambuco poder ir ver outros tipos de belezas, há muitas delas fora do circuito das praias, embora a maioria sejam lindas também.

      Obrigado mais uma vez e sucesso no “Belezuras e Travessuras”

      Resposta
  • 04/07/2017 em 17:31
    Permalink

    Boa tarde!
    Gostaria de obter informações sobre literaturas que retratem o artesanato do barro em Pernambuco ou no Brasil.

    Resposta
    • 05/07/2017 em 08:20
      Permalink

      Olá Carlos, obrigado por sua visita ao nosso blog e seu comentário.
      Bom, nós fomos a Tracunhaém pra mostrar e divulgar o trabalho dos artesãos e da produção artística de lá. As informações que disponibilizamos foram coletadas lá no local, com o atendente do museu, com os próprios artesãos, no site da Prefeitura de Tracunhaém, além da página do Facebook do Centro de Artesanato.
      Há alguns sites onde se pode conhecer a história e os pólos de artesanato do Brasil. Existem livros do SEBRAE e de autores estudiosos no assunto. Alguns materiais estão em PDF disponíveis pra baixar.
      Pedimos desculpas se não respondemos a sua pergunta satisfatoriamente, mas não temos conhecimentos específicos de livros ou demais materiais de estudo sobre a matéria. Não somos pesquisadores do ramo, apenas visitantes.

      Resposta
  • 25/07/2017 em 09:13
    Permalink

    Bom dia, gostaria de saber, se as visitações a Tracunhaém são todos os dias ou tem um horário específico para visitação?
    Grata
    Rose Franco

    Resposta
    • 25/07/2017 em 13:21
      Permalink

      Olá Rose, colocamos o link do Facebook do Espaço aqui no post e há os telefones: 81.8900-2245. 81.9874-6501. Gostaríamos de frisar que somos visitantes, não temos qualquer ligação com a administração do Museu, tomamos as informações como elas são disponibilizadas, seja com responsáveis pelos lugares ou com seus sites e páginas de redes sociais. Por isso, o Museu é que deve se responsabilizar por tais informações. Procuramos deixar isso bem claro na página da nossa apresentação “O que é e quem faz“.
      Muito obrigado por sua visita e comentário no blog, esperamos ter ajudado.
      Leonardo Chaves, do Reveso do Mundo.

      Resposta

Participe da conversa com seu comentário: